Passo a passo: você sabe como criar um plano de negócio?

Você esta em://Passo a passo: você sabe como criar um plano de negócio?

Passo a passo: você sabe como criar um plano de negócio?

Se alguma vez você pensou em abrir um negócio próprio (ou ainda pensa), certamente ouviu que, para isso, você precisa fazer um plano de negócios, certo? Mas, afinal, como criá-lo?

Esse instrumento serve, basicamente, para traçar um retrato fiel do mercado, do produto e das ações do empreendedor. E isso proporciona segurança para quem deseja iniciar uma empresa e obter êxito. Até mesmo para aqueles que querem ampliar ou promover inovações em seu negócio.

Dentre as vantagens, o plano orienta você na busca de dados detalhados acerca da sua área, produtos e serviços, público-alvo, concorrência, parceiros e fornecedores. Mas, principalmente, ele será o guia que indicará os pontos fortes e fracos do negócio. Isso contribui para a identificação da viabilidade de sua ideia e também na gestão do empreendimento.

Neste artigo vamos mostrar a você o passo a passo de como criar um plano de negócios para fazer com que a sua empresa seja sucesso de mercado. Confira!

Sumário executivo

Esta etapa demonstra um pequeno resumo do plano de negócios. No sumário executivo deve conter, entre outras informações:

  • dados dos sócios empreendedores;
  • resumo das informações do empreendimento;
  • missão da empresa;
  • setor de atividade;
  • forma jurídica;
  • enquadramento tributário;
  • capital social;
  • fonte de recursos.

Definição do modelo de negócio

Alguns cuidados devem ser tomados antes de criar um plano de negócios. Por exemplo, você precisa ter certeza do modelo no qual quer apostar. Afinal, não adianta nada elaborar um planejamento estratégico enorme e detalhado, mas acreditar em um tipo de negócio que pode dar errado.

Dessa forma, antes de iniciar o seu plano, esboce algumas opções de modelo de empreendimento. Após isso, procure testá-las da melhor maneira possível — com pouco gasto e rapidez.

Alguns empreendedores têm dificuldade em compreender a diferença entre um modelo de negócios e um plano de negócios. Para uma boa parte dessas pessoas, os dois documentos parecem significar a mesma coisa. Entretanto, eles são essencialmente diferentes.

O canvas de modelo de negócios

Basicamente, ele descreve a ideia. O modelo de negócios é um documento muito objetivo que tem o propósito de entender as reflexões e análises acerca do conceito da empresa. Nele, avalia-se a viabilidade da ideia.

O plano de negócios

Por sua vez, o plano de negócios é um documento mais completo e extenso. Nele, o empreendimento existente ou em formação é bem detalhado. Dessa forma, sua finalidade é que uma pessoa de fora da organização, por exemplo, um investidor, seja capaz de entendê-lo 100% por meio de sua leitura.

Até pouco tempo atrás, fazia-se direto o plano de negócios. Atualmente, existe o entendimento de que se deve começar com rapidez e de maneira enxuta. Por isso, tem quem defenda que apenas com o canvas de modelo de negócios o planejamento já é suficiente.

Acreditamos que ambas as ferramentas devem ser utilizadas para a concepção de uma empresa, porém em estágios diferentes. Quando é o caso de não se ter nada, que se elabore um canvas e teste-o rapidamente. Após os primeiros resultados disso, crie um plano de negócios para estruturar melhor o crescimento e conseguir investimentos.

Análise de mercado

Nessa etapa de elaboração do plano de negócios é momento de saber quem são os clientes (público-alvo), fornecedores e de conhecer a concorrência. Além disso, devemos detalhar quais serão os produtos ou serviços oferecidos.

Assim sendo, a identificação do público-alvo do empreendimento é fundamental. Pode até parecer óbvio, mas é relevante lembrar: não há como uma empresa existir sem clientes. Portanto, é essencial buscar informações cuidadosas com uma boa pesquisa de mercado.

  • quem é esse cliente;
  • onde ele se encontra;
  • se ele é pessoa física ou jurídica;
  • como ele se comporta;
  • o que ele busca no mercado.

É possível levantar todas essas informações por meio da elaboração de entrevistas, questionários e até conversas com clientes potenciais. Outra forma de apurar os dados é fazer uma análise da concorrência.

Nesse sentido, este levantamento faz um retrato do mercado e indica se a empresa tem seguido a direção que os futuros consumidores desejam. Assim, os resultados ditam as ações de promoção e campanhas de marketing para que a organização conquiste o público logo no início das atividades.

Análise estratégica

A principal função dessa ferramenta é averiguar os ambientes externo e interno ligados ao empreendimento com a formulação de táticas para melhorar o desempenho da empresa no mercado. Da mesma forma, são analisadas também as oportunidades e as ameaças.

É a famosa análise SWOT. A sigla vem do inglês — strengths (forças), weaknesses (fraquezas), opportunities (oportunidades) e threats (ameaças) — e descreve os quatro pontos que devem ser levados em conta nesse estudo. As forças e fraquezas se referem à própria empresa, enquanto as oportunidades e ameaças dizem respeito a fatores externos que podem influenciar no negócio.

Planejamento operacional

Na hora de planejar o operacional da empresa, você define alguns pontos e estipula como será a operação do negócio.

  • estrutura física;
  • capacidade de produção;
  • prestação do serviço ou venda do produto;
  • processos e níveis operacionais;
  • necessidade de recursos humanos.

Planejamento financeiro

Essa etapa é fundamental para analisar a viabilidade de abertura, manutenção ou crescimento do negócio. Entre outros pontos, o planejamento financeiro deve conter:

  • capital de giro necessário;
  • estimativa de investimentos fixos;
  • investimento total;
  • análise sobre o gasto unitário de matéria-prima;
  • avaliação do faturamento mensal;
  • apuração do custo com materiais diretos ou mercadorias vendidas;
  • verificação das despesas de comercialização;
  • estimativa dos dispêndios com mão de obra;
  • simulação do fluxo de caixa;
  • indicadores de viabilidade;
  • demonstrativo de resultados;
  • ponto de equilíbrio;
  • rentabilidade;
  • lucratividade;
  • prazo de retorno do investimento (ROI).

Elaboração do plano de marketing

O roteiro de marketing de um plano de negócios deve ser teórico e formal, seguir os conceitos dos 4Ps do marketing ou adotar uma linha mais objetiva. Essa última mostra somente um plano de mídias, ou seja, os canais digitais utilizados para demonstrar as soluções para os diferentes tipos de personas.

Em outra ponta, caso seu preço saia muito da média da concorrência, é interessante que você explique os motivos que levaram você a praticar essa precificação. Atualmente o marketing, especialmente o online, está bem mais amarrado à prática de testes e análise de experiência do usuário do que a convicções tradicionais e rígidas pautadas em teorias.

Lembre-se de apresentar também uma projeção de investimento em marketing digital nos diferentes canais ao longo do tempo.

Simulação de cenários

Com o intuito de visualizar na prática o que ocorrerá com a empresa em variados cenários, essa fase é importante para simular e projetar respostas a situações diversas, como vendas abaixo do esperado, entrada de novos concorrentes e crise econômica.

Assim, nenhuma dessas ocorrências pegará a gestão de surpresa, desde que esses imprevistos tenham sido projetados no plano de negócios. Isso facilita a tomada de decisões e proporciona a melhoria dos resultados, mesmo nas adversidades.

Portanto, após a análise das informações geradas pelas pesquisas de mercado (um dos primeiros passos), fica mais fácil elaborar um plano de negócios mais realista e consistente. Dessa forma, você saberá se realmente vale a pena abrir, expandir ou mudar os caminhos do seu empreendimento.

Agora que você sabe como criar um plano de negócios, passe a receber nosso conteúdo em primeira mão e assine agora mesmo a nossa Newsletter!

2018-12-18T16:56:55-03:0018 . dez . 2018|Categories: Blog, Dicas|