Como fazer um website: 7 critérios que você precisa analisar

Você esta em://Como fazer um website: 7 critérios que você precisa analisar
Voltar

Como fazer um website: 7 critérios que você precisa analisar

2018-12-18T16:54:34-03:0018 . dez . 2018 Blog Dicas

Atualmente, ter ou criar um site não é mais exclusividade de nenhuma empresa. Já são quase 4 milhões de domínios registrados no Brasil, de acordo com as estatísticas do nic.br — orgão técnico responsável pelo gerenciamento dos registros “.br”. Afinal, será que é tão fácil assim criar uma página na internet? Como fazer um website?

Neste artigo, trazemos uma lista com 7 exemplos de critérios e elementos que devem ser levados em conta na hora de criar um website. Confira agora mesmo!

1. Plataforma de hospedagem

Ter um nome definido para o seu domínio é apenas o primeiro passo. Após isso, deve-se encontrar um local na web que o acolha, e a única forma é por meio de um provedor. Isto é, uma plataforma de hospedagem.

É interessante pesquisar a melhor hospedagem, em função das suas necessidades. Assim sendo, cada provedor oferece diferentes planos e preços que variam de acordo com a contratação. Ou seja, levam-se em consideração os seguintes itens.

  • capacidade de armazenamento;
  • número de pessoas que acessam o site;
  • tráfego em geral.

Portanto, acompanhe algumas dicas acerca dos tipos de hospedagens mais comuns do mercado.

Compartilhada

Neste modelo, um mesmo servidor hospeda vários sites. Porém, a cota de memória e o espaço em disco são limitados. Assim, o desempenho do site será menos funcional. Entretanto, terá custos mais baixos.

Dedicada

Um servidor é concedido somente para o seu website. Nesse sentido, fica disponível a qualquer momento. Como desvantagem, citamos um custo mais elevado, contudo, oferece maior segurança. Por fim, é útil para páginas que terão muitos acessos ao mesmo tempo.

Servidor Virtual Privado

Também conhecido pela sigla VPS, esse tipo de hospedagem viabiliza o compartilhamento de um servidor, porém, de forma isolada. Por isso, o desempenho dos demais sites não fica comprometido.

2. Layout do site

De todas as etapas sobre como fazer um website, o visual da página talvez seja uma das mais importantes. Afinal, é isso o que vai chamar a atenção do cliente, ou, na pior das hipóteses, dispersá-lo.

Portanto, para que o usuário sinta vontade de saber mais sobre os seus produtos ou serviços, não deixe de considerar alguns fatores.

Personalidade

A sua página é o seu cartão de visitas. Por isso, dedique tempo para selecionar com cuidado aqueles elementos que são compatíveis com a empresa em termos de imagens, cores, tipografia e diagramação.

Então, você concorda que o layout do seu site diz muito sobre a personalidade da sua marca? Se você respondeu sim, não abra mão de ter um profissional especializado em design e estratégias de branding para orientá-lo nessas decisões.

Fotos de qualidade

As imagens que serão utilizadas em um layout devem se destacar pela qualidade. Isso faz toda a diferença em uma página bem elaborada.

Embora a contratação de um fotógrafo profissional possa representar um custo adicional, o investimento certamente valerá a pena para que você conte com um banco de imagens confiável para a sua empresa.

Diagramação

A decisão do cliente de ficar ou sair da sua página leva no máximo oito segundos para ser tomada, e, por isso, não há espaço para cometer erros. Sendo assim, é importante que seu site seja bem clean, com todos os itens corretamente dispostos e sem informações desnecessárias.

Nesse sentido, a dica é pesquisar os websites da concorrência a fim de saber o que eles têm feito — servindo de referência e fonte de inspiração para você. Para tanto, veja como eles resolveram os problemas, o que eles fizeram e crie um site ainda melhor. Conferir não custa nada, nem que seja para não copiar as ideias deles.

Legibilidade

Para que sua página tenha clareza e legibilidade, atente-se para dois pontos: o contraste entre a cor da fonte e o fundo de tela e o tamanho da fonte. Dessa forma, o ideal é não inventar muito — fundo claro vai bem com fonte escura.

Se você pensa em inovar, abuse da criatividade com os títulos, sem se esquecer de testar a legibilidade.

Navegabilidade

Todo site precisa ser de fácil navegação e ter uma interface intuitiva. Isso significa que as informações que o usuário busca precisam ser encontradas sem muito esforço. Da mesma forma, os links tem que ter cara de links, ou seja, devem ser facilmente identificados pelos clientes.

3. Experiência do usuário

Considere a comunicação com os clientes. Muitos fazem uso das redes sociais para fazer contato. Em outros sites, é possível estabelecer contato a partir de uma janela operada por chatbots, ou mesmo por meio de fóruns de discussão. Porém, jamais dispense o e-mail, uma vez que muitos consumidores preferem essa ferramenta para se comunicarem.

Dito isso, o mais importante é não deixar de lado a experiência do usuário e pensar previamente em como ele fará para interagir com a sua marca para não se atrapalhar depois.

4. Otimização para mecanismos de busca

Também conhecido por SEO (Search Engine Optimization), a otimização para mecanismos de busca tem um grande poder no marketing digital. Isso porque, quando bem administrada, aumenta o tráfego de um site. Aliada às boas técnicas de venda, faz a empresa alcançar os resultados desejados em pouco tempo.

Mas, afinal, o que é SEO? SEO são estratégias que objetivam melhorar a posição no ranking dos resultados de motores de busca do Google. Ou seja, se a sua página não conquistar uma boa posição no Google, Yahoo ou Bing, provavelmente os clientes não encontrarão sua marca de imediato.

Por fim, o SEO é utilizado para melhorar algumas diretrizes que o Google tem como referência e usa algoritmos para medir a relevância de um site, tais como os itens a seguir.

  • permanência na página;
  • número de visitantes;
  • taxas de rejeição;
  • quantidades de links internos e externos, entre outros.

5. Tempo de carregamento

O tempo de carregamento de uma página na internet depende basicamente de cinco aspectos principais.

  • servidor onde seu website está armazenado;
  • velocidade da internet do usuário;
  • capacidade de processamento da máquina utilizada;
  • navegador escolhido;
  • peso do site em si.

Desses fatores, os únicos que você tem a oportunidade de controlar são: o servidor e o peso. Por isso, não hesite em escolher uma boa empresa de hospedagem e procure deixar sua página leve.

Aqui, menos é mais. Evite encher o site com ilustrações desnecessárias, muitas fotos ou animações. Se for para preenchê-lo com algo, que seja de conteúdos de qualidade e relevantes para o seu público.

Como dissemos, o Google tem um contador que indica a taxa de rejeição de sites — aqueles que são fechados em menos de 10 segundos. Nesse sentido, os motivos estão ligados ao fato de que a pessoa que acessou simplesmente não gostou do que viu ou porque a página demorou a carregar. E isso é fato: as pessoas odeiam esperar.

6. Identidade visual

Não é agradável quando você acessa um site que, além de ser extremamente fácil de navegar tem uma identidade visual que satisfaz? Nesse modelo, tudo o que você precisa encontrar parece estar exatamente no lugar certo. Porém, ter um website tão maravilhoso assim, demanda planejamento e muito trabalho.

Da mesma maneira como em um imóvel, antes de começar a obra, é necessário criar um projeto de arquitetura do website. Fazer isso significa estipular quantas páginas serão criadas, seus posicionamentos e o funcionamento do menu principal.

7. Foco no cliente

A base de qualquer comunicação eficiente é procurar conhecer o público-alvo, compreender seus desejos e necessidades para, então, fornecer aquilo que ele quer. Para entender essa relação, não é preciso ser expert em marketing!

Portanto, pense em como fazer um website especificamente para o seu cliente. Faça o exercício de colocar-se em seu lugar e proponha buscas diretas e indiretas para o que você oferece.

  • quais assuntos dentro do seu universo de trabalho chamariam a atenção dos meus consumidores?
  • de que forma eles procurariam por isso na internet?
  • utilizariam quais palavras-chave?

Por fim, seguir essas dicas de como fazer um website não deixará dúvidas de que sua página na internet será mais atraente para o seu público-alvo, com geração de maior engajamento. Assim sendo, a tendência é que seus próprios clientes passem a ser evangelizadores da sua marca.

Porém, são muitos os processos que envolvem a construção de um website. Dessa forma, contratar uma agência especializada é uma alternativa viável para quem deseja obter melhores resultados.

Para tanto, entre em contato conosco e descubra como a nossa equipe de especialistas ajudará sua marca a se tornar um sucesso na internet!